Anterior | Lista de Edições em Português | TidBITS Home Page | Próximo

TidBITS-pt#381/26-Maio-97

Procurando por uma nova planilha? Não perca os comentários animados de Matt sobre o Spreasheet 2000, um programa amigável que traz uma nova abordagem sobre como uma planilha deve funcionar. Essa edição também traz uma visão detalhada sobre a recente Worldwide Developers Conference da Apple, os planos da Apple para o Newton, e os detalhes sobre a nova incursão da Global Village no campo das tecnologias de telecomunicações.

Tópicos:

Copyright 1997 TidBITS Electronic Publishing. Todos os direitos reservados.
Informações: info@tidbits.com Comentários: editors@tidbits.com

Para informações sobre a versão em Português de TidBITS: hpenha@qmail.com


MailBITS-pt/26-Maio-97

Apple Manda o Newton para fora -- Na semana passada, a Apple anuninciou seus planos para formar uma companhia subsidiária baseada no grupo do Newton. A nova empresa, que ainda não tem nome ou presidente, irá se concentrar "nas necessidades computacionais e comunicações de usuários "mobile"". Até o presente momento, isso significa que a companhia tem dois produtos, o MessagePad 2000 (veja TidBITS-pt-379_) e o eMate 300, embora a Apple continua a dar suporte, vender e divulgar o eMate nos mercados educaionais. Os produtos futuros deverão objetivar mercados verticais como a área de saúde, automação de vendas, indústrias de serviços de campo, e a companhia ainda irá buscar criar e licenciar novas tecnologias destinadas aos usuários "mobile" (em trânsito). Seria irônico se a Apple, na busca de um presidente para a nova empresa, considerasse o ex-CEO da Apple John Sculley, que tem a experiência e incentivou o Newton a ser um sucesso durante sua administração. [ACE]

<http://product.info.apple.com/pr/press.releases/1997/q3/970522.pr.rel.newton.html>

TidBITS ainda continua na ZDNet/Mac na Compuserve -- Kevin Norris da ZDNet/Mac nos contou que eles continuam a fazer o upload de TidBITS para o fórum ZDNet/Mac Arts & Fun (GO ZMC:ZMACARTS) da Electronic Pubs Library (#11). Ele também destaca que o fórum e toda a ZDNet agora fazem parte do pacote da Compuserve para Computing Professsionals (GO CPRO). Assim, se você quiser fazer um download de TidBITS na Compuserve ao invés de recebê-lo via e-mail (assinando a lista em <tidbits-on@tidbits.com>) ou visitar nosso site Web, dê uma conferida nesse fórum. [ACE]

<http://www.tidbits.com/>



Global Village 56K para PowerBooks

por Mark H. Anbinder <mha@tidbits.com>

Nessa terça, a Global Village Communication irá anunciar uma nova linha de modems e Ethernet/modem em PC Cards que possibilitará a telecomunicação para usuários de laptop na velocidade de 56 Kbps. Os novos cartões suportam a tecnologia K56flex desenvolvida pela Rockwell and Lucent e deve chegar ao mercado no meio de junho.

<http://www.globalvillage.com/>

Os cartões PC vão funcionar inicialmente com as linhas de Powerbook 190, 5300-, e 1400 que rodem o sistema 7.5 ou superior. A Global Village pretende lançar um update gratuito de software em julho para as linhas de Powerbook 3400- e 2400-. A Global Village está também lançando uma versão paralela de modem e Ethernet/modem combo PC cards para os laptops com Windows 95 - é a primeira vez que a companhia lança seus produtos simultaneamente para Macintosh e Windows. Ambos os cartões possuem capacidade de fax através do popular software GlobalFax.

Respondendo sobre as perguntas sobre a utilização da tecnologia K56flex ao invés da tecnologia concorrente U.S. Robotics X2 56 Kbps, a Global Village disse que encontrou maior suporte na comunidade dos provedores Internet na utilização da K56flex para usuários dial-up, e o mesmo se mostrou verdadeiro no mercado de servidores de acesso remoto dominado pela Cisco e Shiva. Os novos modems tem flash ROM flexível e um software que pode ser atualizado com a tecnologia DSP, que a companhia antecipa poder permitir qualquer mudança no padrão a ser definido na faixa dos 56 Kbps. (Os usuários dos modems Global Village Platinum 28.8 Kbps podem fazer o upgrade sem custos para 33.6 Kbps).

<http://www.globalvillage.com/support/software.html>

Os cartões 56K utilizam um adaptor externo (conhecido como Clyde) similares a outros cartões da empresa e que possibilitam a conexão de linhas telefônicas e cabos 10Base-T Ethernet. O Clyde também ajuda a proteger o cartão contra variações de tensão e voltagem em alguns sistemas de linhas digitais. Os cartões suportam os adaptadores de telefone celular vendidos para versões anteriores dos cartões da Global Village. Os preços devem ficar na faixa de $269 para o modem e $379 para a combinação modem/Ethernet.

Global Village Communication
800/736-4821 -- 408/523-1000 408/523-2407 (fax)
<sales@globalvillage.com>




Yellow Box, Blue Box, Rhapsody e a WWDC


por Geoff Duncan
<geoff@tidbits.com>


Todo ano a Apple realiza a Worldwide Developers Conference (WWDC - Conferencia Mundial de Desenvolvedores Apple), uma reunião técnica e cara para programadores profissionais de Macintosh. Ao contrario de eventos como a MacWorld Expo, a WWDC não é abarrotada por centenas de fornecedores, visitantes portando sacolas e "bottons" e palcos repletos de marketeiros, microfones de cabeça e muito gel.

Ao contrario, a WWDC é uma oportunidade para que programadores conheçam as futuras tecnologias e direções da Apple além de questionarem e expressarem suas idéias para a empresa. Os desenvolvedores formam o público mais difícil para a Apple - há menos probabilidade deles serem influenciados por promessas, e maior probabilidade deles exigirem provas concretas. Do ponto de vista da Apple, a WWDC nunca é fácil.

Além do mais, este ano não foi maravilhoso para a Apple. Com seus problemas financeiros e a aquisição da NeXT, o nivel de especulação foi alto e o de expectativa foi baixo para a WWDC deste ano. Ninguém sabia que cartas a Apple poria sobre a mesa e muitos desenvolvedores tiveram sua fé abalada pelos recentes cortes de quadro, congelamentos tecnológicos e a ascenção de executivos da NeXT na Apple que parecem ter o destino do Macintosh em suas mãos.

Rhapsody e Yellow Box -- Uma coisa que todos na WWDC queriam ver e ouvir a respeito foi o Rhapsody, o novo sistema operacional da Apple, baseado em parte em tecnologias adquiridas pela NeXT. A Apple atendeu a essa expectativa, surpreendendo diversos participantes com demonstrações do Yellow Box, o ambiente derivado do OpenStep que será central ao Rhapsody. O Yellow Box foi demonstrado tanto em hardware PowerPC como em Intel, incluindo uma demo em Intel do sanguinário jogo Quake (desenhando no Display PostCript do Yellow Box ao mesmo tempo em que mostrava filmes no segundo plano), alem de demos em PowerPC do QuickDraw 3D e um aplicativo comercial da Stone Design portado do OpenStep em apenas alguns dias. A Apple queria provar uma coisa: eles tinham código rodando, não apenas promessas. A linha de comando Unix tambem podia ser vista (apesar de vaias de alguns participantes), mas a Apple deixou claro que ela será oculta no release Unified do Rhapsody, disponivel apenas se os usuarios quiserem. A interface Yellow Box foi descrita como sendo um trabalho em andamento mas já apresenta algumas semelhanças ao Mac.

Embora o Yellow Box derive diretamente do OpenStep e inclua recursos NeXT como Display PostScript e conversao Unicode, a Apple tem planos de incluir diversas tecnologias do Macintosh, como o QuickTime Media Layer (QTML), QuickTime VR, QuickDraw 3D, ColorSync, tipografia QuickDraw GX e o engenho de indexação de teto V-Twin (no qual se baseia o Apple e.g.). Embora ainda seja muito cedo para saber ao certo o que isso significa, a Apple também disse que todos os aplicativos gerados para o Yellow Box terão algum recurso de scripting (automação), da forma mais semelhante possível ao AppleScript. O Yellow Box ainda trará recursos NeXT muito comentados, como WebObjects FrameWorks e Java.

A Apple confirmou que planeja disponibilizar uma versão do Rhapsody para computadores baseados em chips Intel; entretanto (e essa pode ter sido a grande notícia da WWDC) também informou que irá vender uma versão do Yellow Box para o Mac OS.

Para entender isso, imagine que o Yellow Box é um ambiente para aplicativos, assim como seu precursor, o OpenStep, ao invés de ser um componente do sistema operacional Rhapsody. Os Yellow Boxes para Intel e MacOS iriam em teoria tornar o Yellow Box a escolha preferncial para desenvolvimento multi-plataforma, pois os desenvolvedores poderiam gerar aplicativos que rodassem em Rhapsody (tanto PowerPC como Intel), Mac OS, Windows NT e Windows 95 - utilizando ferramentas derivadas do conclamado ambiente de desenvolvimento orientado a objetos da NeXT. De acordo com a Apple, um aplicativo escrito para Yellow Box pode simplesmente ser recompilado para uma outra plataforma (Leonard Rosenthol, da Aladdin, referiu a esses programas como "binários obesos" - em oposição ao "fat binary" em uso). Para que essa idéia realmente pegue, a Apple também informou o licenciamento gratuito da tecnologia que permite que o Yellow Box rode sobre Windows, de maneira que gerar aplicativos Yellow Box para Windows não tenha custo adicional para os desenvolvedores.

Uma versão do Yellow Box para o Mac OS também serve como estímulo para alguns desenvolvedores. Teoricamente, isso permitiria que os usuários de Mac OS de hoje (ou de futuras versoes como o Mac OS 8 ou o Allegro) rodem aplicativos Yellow Box sem mudar para o Rhapsody. Embora nenhum cronograma foi forncecido e haja sério questionamento sobre qual subconjunto do Yellow Box pode ser suportado sob o Mac OS ("threading" foi mencionado como sendo um item significativo, e multiprocessamento simétrico está fora de questão), a capacidade de rodar alguns aplicativos Yellow Box sob o Mac OS pode auxiliar a aliviar as dores da transição e abrir para estes programas um mercado maior.

Rhapsody e Blue Box -- a Apple também demonstrou o Blue Box do Rhapsody rodando um beta do Mac OS 8 e promoveu workshops práticos onde os desenvolvedores podiam rodar programas de Mac OS sob o Blue Box do Rhapsody. De acordo com a Apple, apenas 5 dos cerca de 500 programas testados nos laboratórios da WWDC falharam devidos a erros do Blue Box.

O Blue Box é basicamente um aplicativo Yellow Box projetado para rodar sob o Rhapsody para PowerPC (o Rhapsody para Intel não incluirá o Blue Box). Utiliza uma imagem da ROM do Mac para rodar o Mac OS inalterado, de maneira que os usuários podem executar aplicativos e utilitários de sistema do Mac OS sem modificações com muito maior compatibilidade do que seria possível com o Copland. O Blue Box deverá herdar alguns benefícios do Rhapsody, incluindo melhorias na memória virtual e no I/O (entrada e saida). Embora os aplicativos Mac não irão receber uma memoria protegida separada, uma erro no Blue Box não derrubará o Rhapsody. Entretanto, como um aplicativo, o Blue Box irá rodar em sua própria janela e os aplicativos Mac não ocuparão a mesma área de tela que os do Yellow Box. Os programas do Blue Box serão capazes de comunicarem-se com o Yellow Box através de Apple Events e outros mecanismos mais tradicionais, como o Clipboard (área de transferência), mas haverá uma nítida divisão entre o Mac Os e o Yellow Box. O Blue Bo poderá rodar em um modo de tela inteira (e representantes da Apple comentaram que isso incluirá _todas_ telas) mas eu tenho a impressão que usar o Blue Box será como olhar através de uma lente de aumento para seu velho Macintosh.

Java -- Durante a abertura da WWDC, o novo vice-presidente Senior de Engenharia de Software Avie Tevanian disse que Java é a maior oportunidade da Apple. Não está claro quantos desenvolvedores Apple concordam com essa opinião, mas a Apple provou que pode fazer afirmações grandiosas sobre Java tão bem quanto qualquer outra empresa de software, anunciando suporte para Java Foundation Classes que estão sendo desenvolvidas pela Sun, Netscape e IBM. Simultaneamente a isso, anunciou que o Java terá acesso total aos APIs do Yellow Box, tornando-se possivel escrever aplicativos Yellow Box sem precisar utilizar Objective C ou outras linguagens de programação. Embora a Apple afirmou seu comprometimento com "Java 100% puro", também reafirmou que acesso ao Yellow Box permitirá que os desenvolvedores empreguem os melhores aplicativos Java disponíveis, o que parece semelhante ao que a Microsoft conta aos desenvolvedores sobre seu produto concorrente Application Foundation Classes for Java.

O Cronograma do Rhapsody -- Atualmente, o cronograma do Rhapsody prevê um release para desenvolvedores em meados de 1997 (sem Blue Box e provavelmente suportando apenas Power Macs 8500 e 8600), um release "Premiere", para os chamados "early adopters" (NT: usuarios que gostam de novidades e as comprar assim que estão disponíveis - praticamente o mesmo que beta testers...) no início de 1998 com alguns recursos Blue Box para PowerPC e um release "Unified" para usuários em geral em meados de 1998 com capacidade Blue Box total para PowerPC. A Apple planeja disponibilizar versões cliente e servidor do Rhapsody e mencionou que a release Unified irá rodar nos Macs e clones de Mac de hoje, baseados no PowerPC.

Concluindo -- Não há dúvida que o potencial do Rhapsody é atrativo. Alguns desenvolvedores e participantes da conferência com os quais eu conversei estavam, de modo geral, surpresos com o progresso da Apple até agora, embora as opiniões divergissem radialmente quanto à Apple realmente cumprir seu ambicioso cronograma. Para alguns desenvolvedores, o Rhapsody está simplesmente atrasado: eles precisavam de ferramentas de desenvolvimento multi-plataforma maduras a mais de um ano atrás e não uma promessa que isso estará disponível daqui a um ano. Em contrapartida, alguns desenvolvedores pareceram incrivelmente tocados pelos planos da Apple, incluindo alguns fabricantes de ferramentas e utilitários de baixo-nível, para os quais o Rhapsody é um enorme desafio técnico.

Entretanto, o muro entre as culturas da NeXT e da Apple ainda é visível. Steve Jobs conseguiu insultar ou ofender diversos desenvolvedores de Mac em sua conversa na WWDC e alguns comentários ocasionais de antigos funcionários da NeXT durante as sessões da WWDC enfatizaram essas diferenças. Isso é uma generalização, mas os clientes da NeXT tendem a lidar com ambientes de alto nível, muitas vezes corporativos com abundância de recursos de rede e CPU, enquanto que os clientes Mac são possesivos quanto à suas máquinas e mais prováveis de pensarem em compartilhar um único drive de CD-ROM em toda uma rede LocalTalk de um colégio. Se um meio-termo saudável pode ou não ser obtido nas equipes de engenharia de software da Apple ou do Rhapsody é uma incógnita.

Para maiores detalhes e notícias da WWDC, verifique o site da Apple's Developer World; Webcasts da WWDC estarão disponíveis até 31 de maio de 97. John Norstad também incluiu excelentes anotações sobre o Rhapsody baseadas no que ele viu na WWDC.

<http://devworld.apple.com/>
<http://charlotte.acns.nwu.edu/jln/wwdc97.html>




Uma Planilha para o Milênio

Por Matt Neuburg <matt@tidbits.com>

No momento em que a Apple e o Macintosh parecem voar em fragmentos à minha volta, a saída da Spreadsheet 2000, a planilha da Casady & Greene, levantou-me um pouco a moral. É um meio poderoso, flexível e interessante para armazenar e encontrar informação (neste caso, informação númerica, incluindo cálculos). Isso é precisamente aquilo que eu pretendo do meu Mac, como os leitores mais antigos do TidBITS recordarão. A interface leve mostra que ainda existe capacidade para se ser original no Mac. É fácil de aprender: praticam-se os exemplos, captura-se a metáfora e, daí em diante, é só seguir a intuição. Foi basicamente escrito por Steve Wilson da Emergent Behavior, outro exemplo notável das pequenas operações. E o facto da Spreadsheet 2000 ter sido escrita em Prograph CPX, o meu ambiente favorito de programação (ver TidBITS-312_) é um bónus adicional.

<http://www.casadyg.com/C&G/Welcome.html>

A Spreadsheet 2000, oficialmente abreviada S2K, é realmente a versão 2.0 da Let's Keep It Simple Spreadsheet, oficialmente abreviada Let's KISS, ou LKISS, ou apenas KISS.

Deixar-se levar pelo fluxo dos dados -- Uma planilha é um modo de dar vida a números, alguns dos quais são resultado de cálculos envolvendo outros números. Por exemplo, quando se regista um orçamento, a alteração ou adição de um número na coluna das despesas com alimentação pode modificar automaticamente o total mensal de alimentação, o total do mês, e o total do ano até à data.

Na maioria dos programas de planilha isso é feito recorrendo a fórmulas ocultas. Inicialmente dispomos de uma grelha de células em branco, que podem ser preenchidas tanto com um número como com uma equação descrevendo um cálculo com base nos valores de outras células. Uma célula contendo uma equação mostra apenas o seu resultado. Este valor pode ser ainda utilizado por outras equações, e assim sucessivamente. Isto implica que é necessário aprender a linguagem das equações, o que é muitas vezes difícil. Mais, implica que a lógica da planilha é difícil de descobrir e que é facil cometer erros: uma vez que as equações estão ocultas (mesmo que não estivessem, é difícil visualisar as dependências de equações de uma célula), é possível fazer uma modificação acidental que force uma equação a produzir um resultado errado, ou um resultado que elimina a própria equação.

A Spreadsheet 2000 não funciona assim. Ao contrário, inicalmente dispomos apenas de uma janela em branco, sem grelha. Nessa janela podemos colocar qualquer tipo de objetos por seleção e arrastamento a partir das "palettes" e por deslocamento organizá-las a gosto, tal como num programa de desenho. Estes objetos são na maioria grelhas retangulares de células ou então operações (tais como "+", "*", "média", etc.), representadas por pequenas caixas retangulares com nome. Depois, é só desenhar com o mouse linhas entre grupos de células e um sinal de operação e ligar o conjunto a outro grupo de células (o resultado). É possível introduzir valores nos grupos de células iniciais, mas não nos grupos de céluas de resultados (estes aparecem em cor diferente). Assim, os reultados dos cálculos estão destacados e automaticamente protegidos. Em adição, a estrutura de cada cálculo é visualizada como um fluxo real de valores: duma grelha (ou grelhas) inicial, através de uma operação, até atingir a grelha de resultados.

O encadeamento da sequência grelha-operação-grelha pode ser desenvolvida tanto quanto for desejado; uma grelha pode servir como ponto de partida para mais que uma operação, e um operador pode utilizar valores de mais que uma grelha. Para evitar que a acumulação exagerada de encadeamentos provoque um efeito de enredamento, podemos selecionar uma porção da sequência e condensá-la, substituindo-a por um símbolo à escolha representando uma operação especial. Se selecionar duas vezes o símbolo da operação especial, aparece uma janela de edição contendo as grelhas e operadores que condensamos. Nesta janela podemos alterar as relações, modificar os cálculos, modificações essas que incluem a condensação de segmentos da sequência. Podemos assim criar estruturas de cálculo visuais que, por escolha criteriosa dos nomes e das sequências condensadas, se revelam agradáveis esteticamente e fáceis de compreender; mas os detalhes estão apenas a poucas seleções do mouse de distância, por abertura das janelas de edição das operações condensadas até ao nível desejado.

A Spreadsheet 2000 também tem outra maneira de evitar a confusão do excesso de elementos. Designa-se por relatório, apesar de eu preferir vista, uma vez que é apenas outra maneira de olhar para porções particulares dos nossos dados. A janela principal (chamada Mestra) é substituida por outra contendo uma seleção particular de elementos: tipicamente, uma janela mostrará apenas duas ou três grelhas principais, sem as operações ou as ligações entre elas. Um documento pode ter vários tipos de relatórios, listados no menu Relatório e, em cada momento, é possivel ver ou a janela Mestra ou um dos relatórios (mais uma razão para os designar como vistas). A utilização dos relatórios é deixada ao critério do usuário. Podemos introduzir dados num relatório, de modo que podemos utilizar vários relatórios como formas de entradas de dados múltiplas quando um cálculo envolve muitos tipos de dados. Também são formas ideais para apresentar o sumário de um cálculo.

Mencionei anteriormente que os elementos de uma planilha são adicionados por seleção e arrastamento a partir de "palettes". Podemos também criar "palettes" particulares para armazenar elementos reutilizáveis (bibliotecas, dito de outro modo). Esses elementos podem variar do mais simples (uma grelha de 12 células com os nomes dos meses) ao mais complicado (um cálculo complexo que produza resultados na forma de histograma).

As planilhas podem também conter elementos especiais, tais como gráficos que mostrem de forma efetiva os resultados de grelhas a eles ligadas. Também existem anotações - simples retângulos de texto para a colocação de comentários e instruções - e elementos gráficos. Todos eles podem naturalmente ser organizados ao gosto de cada um.

Grelha Verdadeira -- A introdução e visualização dos dados é feita através de grelhas, como foi dito atrás. Podemos introduzir dados diretamente numa célula da grelha, e podemos naturalmente copiar e colar resultados entre diferentes grelhas ou passá-los a outros programas (S2K é muito bom no processamento dos valores no "clipboard"). Podemos também exportar dados das grelhas em formato de texto delimitado por tabulações.

O tamanho duma grelha pode ser modificado para quaiquer dimensões retangulares desejadas, em função das células que contém: pode consistir numa célula simples, uma coluna, uma linha, ou um retângulo de células. Podemos adicionar nomes ligados ao cimo ou lados das grelhas, de modo a especificar o conteúdo de cada linha ou coluna; nas grelhas de resultados, os nomes podem ser colocados manualmente ou podem ser herdados das grelhas iniciais através de uma operação específica que os reproduz nos resultados.

Dados numéricos podem ser formatados arrastando e soltando (drag & drop) ícones de formatação sobre eles; vários ícones de formatação básica podem ser encontrados na parte superior da tela, mas você pode criar uma palete de formatação que lhe permita ser mais específico sobre coisas como o número de casas decimais a serem mostradas. A formatação de texto funciona de forma semelhante, e você também pode fazer escolhas através de um menu de texto. A S2K reinforça a consistência na formatação: você pode formatar numericamente um pedaço inteiro ou colunas selecionadas, e formatar textualmente uma seleção vertical ou horizontal, mas não células individuais.

Um dos recursos mais bem sacados da Spreadsheet 2000 é o comportamento inteligente de seus operadores com respeito a células selecionadas. Vejamos, por exemplo, o operador "+": seu funcionamento depende da forma que você define a área para saída de dados. Imagine que você tem uma seleção 5 por 4 de números conectados pelo operador "+". Se esse operador estiver ligado à apenas uma única célula, ela irá mostrar a somatória das 20 células inicialmente selecionadas. Se estiver ligado a uma seleção de linhas, essa área irá ser automaticamente dimensionada para o tamanho 5 por 1, mostrando a somatória de cada coluna da seleção inicial (entrada de dados). Se estiver ligado a uma seleção de colunas, a saída será automaticamente dimensionada para 4 por 1, mostrando a somatória de cada linha da seleção inicial.

Outros operadores que aceitam múltiplas entradas de dados reagem aos formatos dessas entradas. Por exemplo, o operador "A+B", que soma duas entradas, vai adicionar duas seleções de colunas, fazendo com que o resultado seja uma única coluna onde cada célula terá a somatória do par correspondente de células. Ele transforma uma área retangular em uma única coluna, somando os pares de células correpondentes de cada coluna. Ele soma a seleção de uma coluna e de uma linha construindo uma área retangular, onde cada célula contém uma soma de pares. E assim por diante.

O fato extraordinário é que, apesar de parecer bastante complicado pela minha descrição, seu funcionamento é óbvio e intuitivo. A S2K lhe dá a sensação de estar fazendo a coisa certa, de estar sabendo o que você pretende (frequentemente, melhor até do que você mesmo!).

Spreadsheet Icing -- Operadores nativos incluem funções numéricas padrão (aritmética, trigonometria, exponenciais, arredondamento), e certos operadores agem como um atalho para a composição de expressões algébricas elementares; funções estatísticas básicas (como média e desvio padrão) também estão incluídas. Operadores de seleção permitem a contagem de células, colunas e linhas; combinação e decomposição de partes selecionadas; cópia, rotação e ordenação de seleções; e extração de partes da seleção através de critérios de correspondência. Operadores lógicos permitem fazer teste buleanos (boolean) e ainda criar construções do tipo "se-então-resto" (if-then-else). Operadores sequenciais geram preeenchimento automático de dados e permitem formar saídas de seleções cumulativamente computadas (como um balanço em funcionamento no banco).

Esses operadores mostram-se suficientes para a maioria das necessidades; o truque, quando você quiser montar uma nova função, é se acostumar ao modelo de fluxo de dados (dataflow), que funciona de forma diferente da linguagem algébrica. Para lhe ajudar, uma grande seleção de operadores pré-montados vem incluídos; eles podem ser usados como atalho, e (se formados a partir dos operados nativos) servem como valiosos modelos de estudo. Eles variam de simples unidades de conversões e constantes físicas à representações aritméticas de números complexos, raízes polinomiais, teste de números primos, séries de Fibonacci, geração de números pseudo-aleatórios, regressão linear, e vários operadores financeiros - o que é suficiente para provar que a linguagem de fluxo de dados da S2K é bastante poderosa (especialmente levando em consideração sua falta de difusão).

Muitos modelos também estão incluídos na forma "stationery" e de outros arquivos. Mais uma vez, a variedade justifica o poder da Spreadsheet 2000: ponto de equilíbrio e depreciação, orçamento e leasing de automóveis, solução triangular, somatória de curvas de seno, integração numérica pela regra de Simpson, livro de notas escolares, e até estatísticas de baseball. Outros modelos criados por usuários podem ser encontrados no web site da da Casady & Greene.

<http://www.casadyg.com/C&G/Products/spreadsheet_2000/Solutions/ solutions.html>

O manual, infelizmente, falha em documentar essas coisas (com exceção feita aos operadores nativos). Apesar disso ele é bem legal: consiste basicamente de tutoriais e conselhos gerais, seguido por materiais de referência de fácil leitura, o que é tudo que você precisa saber já que o programa é fácil de usar uma vez que você completar os tutoriais. Também há boa documentação através do "balloon help" e do "Apple Guide".

Se eu tenho alguma reclamação geral sobre o programa é o fato de ser muito dependente do uso do mouse. Eu gosto de arrastar e soltar (drag & drop) tanto quanto qualquer pessoa (e os efeitos sonoros opcionais da S2K contribuem para aumentar a diversão), mas o programa exige mais dexteridade física do que eu possuo e mais cliques aqui e lá do que minha paciência é capaz de aguentar.

Eu fiz essas e várias outras sugestões ao autor da S2K, Steve Wilson - coisas como fazer as janelas de edição dos operadores se lembrarem de seus tamanhos e posições quando forem novamente abertas, e uma caixa de diálogo opcional para fazer uma seleção de células mais facilmente. Sua atitude receptiva sugere que, com críticas construtivas dos usuários, futuras incarnações da S2K serão até melhores.

Terminado o meu frágil estoque de coisas negativas, eu reitero: Spreadsheet 2000 é um bom programa. Parece sólido como uma rocha (não consegui fazê-lo engasgar ou bombar); seu comportamento é intuitivo e conveniente. Ele possui aquelas qualidades diretas e simples que definem o Mac e aparecem de vez em quando, fazendo um bom candidato a clássico. suas funções básicas funcionam de maneira poderosa, mas, ao mesmo tempo, é fácil de aprender e seu uso é divertido e traz satisfação. Na minha opinião, é a planilha para uso diário que todo usuário de Macintosh deve ter.

Hot Off the Grid -- Um esplêndido filme em QuickTime (200k) mostrando a S2K em ação pode ser encontrado no web site da Casady & Greene, juntamente com versões demo para 68k e PowerPC (um pouco mais de 2 MB):

<http://www.casadyg.com/C&G/Products/spreadsheet_2000/S2Kmov.html>

Em nossas pesquisas, o preço final da Spreadsheet 2000 variou entre $60 e $75, e existe um abatimento de $30 se você possuir outra planilha eletrônica. O upgrade para a LKISS é de $20 (gratuito se comprada em 1997).

<http://www.casadyg.com/C&G/Products/spreadsheet_2000/description.html>

DealBITS -- Através da URL abaixo, a Cyberian Outpost está oferecendo a Spreadsheet 2000 aos leitores de TidBITS por $54.95, um desconto de $5 sobre o preço normal.

<http://www.tidbits.com/products/spreadsheet-2000.html>


Publicações não-comerciais e sem fins lucrativos, assim como sites Web, podem re-imprimir ou criar links para artigos publicados, desde que todos os créditos sejam mantidos. Não garantimos o conteúdo dos artigos. Publicações, produtos ou nomes de empresas podem ser marcas registradas de empresas.


Anterior | Lista de Edições em Português | TidBITS Home Page | Próximo