Anterior | Lista de Edições em Português | TidBITS Home Page | Próximo

TidBITS-pt#385/23-Jun-97

Preocupado com a segurança no Macintosh? Essa semana, Adam dá uma outra olhada nos vírus de macro do Microsoft Word e Geoff examina algumas das motivações por trás dos desafios dos servidores Web Macintosh (além de algumas notas criativas de como quebrar a segurança). Trazemos também notícias sobre o SiteMill 2.0 da Adobe, e a segunda parte da cobertura de Tonya sobre os editores HTML. Nessa edição, ela verifica a competição do PageSpinner: World Wide Web Weaver, BBEdit e Alpha.

Tópicos:

Copyright 1997 TidBITS Electronic Publishing. Todos os direitos reservados.
Informações: info@tidbits.com Comentários: editors@tidbits.com

Para informações sobre a versão em Português de TidBITS: hpenha@qmail.com


MailBITS-pt/23-Jun-97

TidBITS Search Engine Online -- Conforme o prometido, colocamos o vencedor de nosso duelo de ferramentas de busca na rede (veja TidBITS-368_, TidBITS-pt-379_, and TidBITS-pt-380_). A implentação feita sob medida do Apple e.g. está rodando atualmente num Power Macintosh 7100/80 com 24 MB de RAM. Esse Mac tem uma conexão Internet de 56K frame relay, ao invés da T1 que nosso servidor Web utiliza, então estamos curiosos para analisar a performance. Se quiser colocar um bookmark na nossa página de pesquisa, utilize o endereço abaixo ao invés do endereço onde você estiver depois de seguir esse link -- nós podemos mover algumas coisas de lugar com o tempo. [ACE]

<http://www.tidbits.com/search/>

Esconde-esconde com o SiteMill 2.0 -- Embora o SiteMill 1.0 tenha sido um dos primeiros aplicativos comerciais de gerenciamento de sites Web, o SiteMill 2.0 trouxe muitos adiamentos e dúvidas sobre o seu lançamento. Mesmo depois que a Adobe informou que o SiteMill já estava disponível, o site da companhia demorou a ser atualizado para refletir essa informação, e os releases de imprensa distribuídos tratavam apenas da versão Windows.

O SiteMill não é mais um produto separado; ao invés disso, ele vem junto com o PageMill 2.0 e o Photoshop LE, a versão "light" da Adobe para o Photoshop. Esse conjunto custa $149 e substitui o pacote anterior do PageMill. Para aqueles que tem um número de registro do SiteMill 1.0 ou PageMill 2.0 o download do SiteMill 2.0 e' gratuito, com o tamanho aproximado de 2 MB. No momento em que essa nota estava sendo escrita, muitos links da Adobe levavam a versão beta do programa, mas o link abaixo leva a versão correta. Adobe Systems -- 800/411-8657 408/536-6000 [TJE]

<http://www.adobe.com/prodindex/pagemill/siteben.html>



Mais Sobre Vírus de Macro

por Adam C. Engst <ace@tidbits.com>

O objetivo de muitos vírus, sejam de macro ou de outros tipos, é aborrecer as pessoas, desperdiçar tempo, e geralmente consumir recursos de vários tipos. Isso é irônico quando pensamos o quanto de espaço a imprensa dedica a esse assunto, (veja TidBITS-383_). Mas, já que muitos leitores fizeram muitos comentários úteis e sugestões, queremos passar as informações adiante, para ajudar a todos a compreender ainda melhor o problema dos vírus de macro. Isso deve encerrar a cobertura aos vírus em TidBITS por um tempo, mas vocês podem encontrar mais informações sobre vírus no Macintosh (incluindo os de macro) na FAQ de David Harley sobre vírus de Mac em:

<http://webworlds.co.uk/dharley/anti-virus/macvir.faq>

Se incomoda... -- De todas as respostas que recebemos, a solução mais simples (e sempre apresentada com grande ênfase) era a de abandonar o Microsoft Word 6 ou qualquer outro programa que sofra de vírus de Macro. Essa solução não é universal, pois nem todos tem a liberdade de escolher os programas com os quais irão trabalhar.

Macros auto-executáveis -- Outras sugestões eram as de desligar os macro auto-executáveis no Word 6, que impedem que alguns dos vírus se repliquem ou executem tarefas anti-sociais. Infelizmente, muitos vírus de macro utilizam métodos alternativos de ativação, incluindo nomes falsos, comandos de menu ou shortcuts especiais. Assim, embora a desativação desses macros no Word 6 possa ajudar um pouco, não é uma solução totalmente confiável.

Template Normal Travado -- Uma solução intrigante para prevenir o ataque dos vírus de macro, veio de Tyler Stewart <stewart@utkux.utk.edu>, e era travar o arquivo do template Normal, que fica no folder de Templates no folder do Word 6. Selecione-o no Finder e escolha a opção Get Info do menu File, e então clique na opção Locked. Travando esse arquivo os vírus não poderão atingí-lo, mas os vírus de macro ainda poderiam se transferir para arquivos abertos ou serem executados sem serem duplicados. O mais complicado é que o Word 6 parece gravar o template Normal no cache de RAM, assim a cópia da RAM poderia ser atingida (e dessa forma passar o efeito do vírus adiante durante a sessão do Word) mesmo com o arquivo travado. Em outras palavras, essa solução não funciona sempre e pode ser chata no caso de você querer modificar esse template no Word.

Conversões de Arquivos -- Diversos leitores sugeriram variações nas técnicas de conversão de arquivos. O Microsoft Word 5 não consegue executar macros, o que o torna livre dos vírus de macros do Word 6. Algumas pessoas acreditam que os macros possam ser carregados num arquivo que o Word 5 converteu, abriu, salvou, e que seria aberto futuramente no Word 6. Mike Groh, da Datawatch informou que não há casos relatados dos macros sobreviverem ao processo de conversão, através do Word 5 ou de tradutores especiais como o MacLinkPlus da DataViz. Nos testes da Datawatch e nos nossos testes, as conversões acabaram com os macros.

<http://www.dataviz.com/Products/MLP/MLP_Home.html>

Acabando de Vez com os Macros -- Algumas pessoas sugeriram técnicas que podem funcionar para eliminar todos os macros dos documentos Word. Mas, os macros não são ruins por natureza, e qualquer coisa que os destrua por completo poderia acabar com recursos ou informações interessantes. Ferramentas como MVTOOL da Microsoft não são tão destrutivas, já que permitem escolher ao abrir documentos de acordo com cada caso. Entretanto, não confie na proteção de MVTOOL (conseguida através da utilização do SCANPROT, o que confundiu alguns leitores) porque ele só funciona se você utilizar a função Open do menu de Arquivo (File) do Word para abrir os arquivos. Se você der um duplo-clique num documento Word no Finder ou utilizar outros métodos para abrir o arquivo (como o menu de Recent Items ou o Now Super Boomerang) o MVTOOL não irá funcionar. Leia a documentação do MVTOOL atentamente antes de depender dele.

<http://www.microsoft.com/word/freestuff/mvtool/virusinfo.htm>

Outros Utilitários Anti-Vírus -- Para ser completo, o Virex da Datawatch e o SAM da Symantec não são os únicos anti-vírus comerciais disponíveis no mercado para Mac que podem detectar e eliminar vírus de macro. Também estão disponíveis o VirusScan da McAfee e o FindVirus da Dr. Solomon, além de outros que ainda possam existir. Não tenho nenhuma recomendação aqui a não ser destacar que Mike Groh da Datawatch foi extremamente atencioso ao nos ajudar a checar e comentar esses artigos. Os vírus afetam a todos nós, então eu valorizo as companhias que participam da comunidade protegida pelo seu software.

<http://www.datawatch.com/virex.shtml>
<http://www.symantec.com/sam/index.html>
<http://www.mcafee.com/prod/av/vsmac.html>
<http://www.drsolomon.com/products/avtk/ps_mac.html>

Vigilância Eterna
-- Esse tópico inteiro surgiu por causa do meu aviso em TidBITS-pt-381_ de que a comunidade Macintosh estava se tornando displicente sobre vírus. Muitos leitores alertaram para os CD-ROMs infectados recentemente distribuídos para várias pessoas, incluindo o Apple's Official May 1997 Marketing ToolKit, que é destinado aos revendedores e a mídia em geral. Existem duas lições a serem aprendidas. Primeiramente, nunca confie nem nas fontes mais distintas, pois os CD-ROMs de todos podem estar contaminados. Segundo, se você é responsável por masterizar CD's ou criar discos master, verifique sempre os discos com softwares anti-vírus! É inaceitável que qualquer CD ou disco a ser distribuído para o público contenha vírus.

Projetos Invioláveis -- Acredito que a eventual solução para esses problemas de vírus de macro seja a produção de software com capacidades de macro que tenham responsabilidade no projeto de seus programas de maneira a eliminar os vírus. Embora o Java da Sun não seja perfeito, ele foi projetado para prevenir usos indevidos. Mesmo se alguém encontrar uma maneira de burlar esse design, não será tão fácil como nas linguagens de macro. Não quero fingir saber se é realmente possível criar uma linguagem de macro que não esteja sujeita a vírus, mas com o número crescente de vírus de macro que aparecem todos os dias, está claro que o problema é real.




A Moda dos Desafios de Segurança no Mac


por Geoff Duncan
<geoff@tidbits.com>


A segurança em computadores - ou, mais precisamente, a segurança de dados em computadores - não é uma idéia nova. Desde que informações críticas começaram a ser armazenadas em cartões perfurados, fitas e discos, o dinheiro tem passado de mão em mão para garantir que não possam ser acessadas sem a devida permissão. Até pouco tempo atrás, os testes de segurança eram serviços frequentemente caros, contratados e burocratizados, conduzidos por profissionais independentes e empresas de consultoria. No entanto, o crescimento mais do que acelerado da Internet abriu espaço para algo de novo: os desafios publicos de segurança de dados. Esses acontecimento geralmente oferecem prêmios monetários substanciais e são abertos a qualquer pessoa que tenha uma máquina e uma conecção na Internet. Os desafios publicos geralmente tem metas como demonstrar uma tecnologia, promover produtos ou serviços e gerar interesse na mídia. TidBITS já cobriu dois desafios de segurança específicos ao Mac (veja TidBITS-317_ e
TidBITS-pt-378_). Esses desafios ajudaram a estabelecer o Mac OS como uma plataforma robusta e segura para servidores Web e deu à Apple, ao Mac, aos desenvolvedores de software e aos patrocinadores do concurso um bom espaço na imprensa, quando ninguém conseguiu conquistar os prêmios dos concursos. Entretanto, os desafios de segurança em Macintosh recentes parecem se preocupar mais com o marketing do que com a segurança, o que não contribui em nada para aprofundar os testes dos limites da segurança do Macintosh.

Apple Europa -- Os dois desafios de segurança em Macintosh anteriores foram conduzidos por organizações privadas. Agora, a Apple Europa entrou com suas cartas no jogo, oferecendo um PowerBook 3400 de 240 MHz novinho em folha para qualquer um que altere o conteúdo de uma página Web específica, residente em um servidor padrao Apple Workgroup Server 9650, rodando Mac OS 7.e WebSTAR 2.0.

<http://hack-a-mac.global.de/>

É bom ver a Apple usar de novas formas de promover o MacOS como uma plataforma para servidores de internet, mas esse concurso e' apenas relacionado à promoção. Sob um aspecto técnico, esse desafio imita o desafio Crack-A-Mac (NT: Quebre Um Mac) promovido pela Infinit Information AB da Suécia na última primavera - e sua face publica é um pouquinho menos lapidada. Por exemplo, o concurso dura de 4 de Junho de 97 até 31 de Julho de 97, mas você não encontra essa informação no servidor do desafio ou nas regras: você precisa de um "release" de imprensa ou artigo para desvendar as datas do concurso e alguns outros detalhes pertinentes. Claro que você deve ler todas as afirmações melodramáticas sobre a "confiança completa" da Apple no servidor - o que é óbvio, já que o dinheiro do prêmio do concurso da Infinit não foi ganho por ninguém, apenas algumas semanas antes. Também houveram algumas críticas com relação ao prêmio do concurso: os preços de um PowerBook 3400 de 240 MHz partem de $5500, de forma que poderia-se argumentar que há menos incentivo financeiro em entrar nesse servidor do que havia em desafios anteriores de segurança em Mac. Isso pode ser verdade, mas talvez o mais importante seja que ganhar um PowerBook 3400 atrai um subconjunto menor da população de arrombadores de servidores do que dinheiro vivo. Na verdade, poucos adeptos fiéis do Windows ou do Unix vão gastar seu tempo tentando ganhar um Macintosh.

<http://www.euro.apple.com/newdocs/pressreleases/pr-HackAMac.html>


VanHacking -- Dinheiro não é problema para o Desafio VanHacking, patrocinado pela VirTech Communications de Vancouver, British Columbia, no Canadá, de 1 de Junho de 97 até 15 de Julho de 97. Eles estão oferecendo 10.000 dólares canadenses (aproximadamente $7.200 nos EUA) para qualquer um que conseguir fazer duas coisas:

* Entrar numa página Web protegida, para encontrar informações criptografadas sobre cartões de crédito e uma frase especial.

* Decriptografar essa informação de cartão de crédito e alterar a tal frase especial na página Web protegida.

O servidor do VanHacking é um PowerMac 7200/120 rodando o System 7.5.3, Timbuktu Pro 3.0.2, WebSTAR 1.3.2 e a página do desafio está protegida com a capacidadede Realms da WebSTAR (de modo que lhe é pedida uma senha se você tenta acessá-la por um Browser).

<http://www.vanhacking.com/>

Em face disto, o VanHacking Challenge é uma nova variação do concurso "altere uma página Web", e - ao incluir um número de cartão de crédito cifrado - o concurso confronta o tema do comércio electrónico seguro na Internet. A comunicação à imprensa da VirTech (e a recente promoção do concurso pela Apple na sua página principal) realça este ponto: a VirTech diz que quer refutar a ideia que "infesta os media actualmente" de que a Internet é pouco segura.

<http://www.vanhacking.com/press3.html>

Infelizmente, o VanHacking Challenge está muito mediatizado e tem pouco a ver com o comércio electrônico. Para já,apesar dos primeiros concursos de servidores Web Macintosh não terem testado diretamente a capacidade de Realms do WebSTAR, serviram certamente para proteger o servidor Infinit dos ataques da admnistração remota do WebSTAR 2.0. E mesmo que a Página Web não estivesse protegida, o artista aínda teria de descobrir como alterar os conteúdos da Página de Concurso, o que os concursos da Infinit e da ComVista provaram que não se pode fazer por USD $10,000.

Depois temos o problema da informação cifrada do cartão de crédito. De acordo com as regras do concurso VanHacking, a informação do cartão de crédito está cifrada com o PGP (Pretty Good Privacy), uma poderosa chave de criptação desenvolvida por Phil Zimmerman e disponível para uma variedade de plataformas.

<http://www.pgp.com/>

Existem essencialmente três maneiras de aceder à informação cifrada: decifra-la computacionalmente, descobrir uma cópia não cifrada, ou de algum modo obter a palavra-chave ou a frase-chave para decifrar a informação.

Apesar de (ocasionalmente paranóicas) especulações de que o governo dos Estados Unidos teria conseguido decifrar o PGP, é altamente improvável que alguém ganhe o concurso VanHacking decifrando a chave PGP computacionalmente. Obter as chaves PGP à força bruta é actualmente impraticável, e até à data não há provas públicas de fraqueza nos algoritmos do PGP que possam assistir os aspirantes a decifradores. Para ser franco, encontrar um método de rápida e fiavelmente quebrar informações cifradas com o PGP vale potêncialmente dezenas de milhões de dólares; o facto de o prémio do VanHacking não ser reclamado porque o PGP não foi quebrado não prova nada.

Poderia até ser possível encontrar uma cópia não cifrada do número de cartão de crédito do VanHacking: houve já ocasiões onde frases-chave ou cópias não cifradas de informação cifrada foram encontradas na RAM, sectores de disco não usados, memória virtual ou ficheiros temporários. Contudo, uma vez que tem sido repetidamente demonstrado que o Mac OS é seguro contra a maior parte dos ataques via Internet, é improvável que alguém consiga entrar nestas àreas do servidor do concurso ou de outras máquinas da VirTech. Logisticamente, ser-me-ia mais fácil entrar nos escritórios da VirTech Communications em Vancouver (ou montar uma vigilância decente) do que entrar no seu servidor Web. Se eu fosse esperto, poderia fingir que era um jornalista e talvez conseguir que alguém me dissesse o que eu queria. Se eu estivesse disposto a espiolhar, existe provavelmente uma cópia do número do cartão (ou uma pista acerca de onde eu o poderia encontrar), uma frase-chave PGP, uma palavra-chave do Timbuktu Pro, ou um email sensível ou um memo a ser encontrados. E seu quiser infringir algumas leis - o que não seria um obstáculo para alguém interessado em fraudes com cartões de crédito - tenho a certeza de que seria mais persuasivo. A VirTech pensou neste ângulo("entrar nos escritórios do edifício da VirTech também desqualificará os participantes"), e mesmo se não mencionam fraude, extorsão ou fazer-se passar por um agente da autoridade, o espírito das regras é claro. Claro, estas tácticas parecem coisas saídas da espionagem industrial e dos romances de espionagem - e francamente USD $10,000 não valem esse esforço - mas quando milhões de dólares estão em jogo, estas coisas acontecem.

A Agonia da Auto-Derrota -- Serão estes concursos públicos de segurança desprovidos de sentido? Claro que não! Estes concursos demonstram a integridade e valor do Mac OS e alguns dos excelentes produtos disponíveis para a plataforma. Penso que isto é significante.

Apesar de tudo, é importante olhar para os objectivos por trás de cada evento e separar o mérito técnico da camaradagem dos 'martela-ratos'. Concursos que apenas repetem esforços prévios falam mais acerca das motivações dos seus organizadores do que da validade dos mesmos. Do mesmo modo, concursos que requerem tecnologias circulantes como o PGP ou a segurança do Java não dizem necessáriamente mais acerca do Macintosh do que um livro da sua estante.


Tecendo a Teia Parte 2: PageSpinner encontra competidores


por Tonya Engst
<tonya@tidbits.com>


A semana passada, no
TidBITS-pt-384_, escrevi acerca do PageSpinner, um editor de HTML da Optima Systems que custa $25 no sistema de "shareware". Descrevi o PageSpinner como possuindo uma ampla gama de opções de etiquetas ("tags") num ambiente invulgarmente aberto e bem assistido. Esta semana vou continuar a minha discussão comparando-o não só com os World Wide Web Weaver e BBEdit, como prometido, mas também com o Alpha.

<http://www.algonet.se/~optima/pagespinner.html>
<http://www.miracleinc.com/>
<http://www.barebones.com/>
<http://www.cs.umd.edu/~keleher/alpha.html>


W4 -- O World Wide Web Weaver 2.1, também conhecido como W4, é proveniente da Miracle Software e custa entre $39 e $89 dependendo do modo de compra. Requer um Mac baseado num 68020, o Sistema 7.0, e 5.5 MB de memória "RAM" (recomendados 8 MB). Em contraste, o PageSpinner necesita um Mac baseado num 68020, o Sistema 7.0.1, um monitor com gama de cinzentos, e 2-4 MB de memória "RAM". O W4 amadureceu para além das suas origens como "shareware", mas falta-lhe a atenção ao detalhe que espero num produto comercial de alta qualidade. No entanto, se a atitude "faça você mesmo" do PageSpinner for um pouco intimidante, o W4 poderá ser uma boa solução.

O W4 não tem a gama alargada de etiquetas esotéricas do PageSpinner, mas inclui toda a gama básica, mais caixilhos ("frames"), minutas ("forms") e tabelas. O W4 inclui corrector ortográfico e corrector de HTML, capacidades que implicam a obtenção e configuração de programas adicionais no PageSpinner. Embora este último ganhe na flexibilidade de configuração, o W4 não é inteiramente rígido. Por exemplo, permite a adição de novas etiquetas à interface, e permite uma livre configuração dos estilos das etiquetas e texto tal como aparecem no documento W4.

Um documento HTML no W4 é semelhante ao de qualquer outro documento produzido por um editor de texto, mas algumas janelas de diálogo do W4 utilizam uma aproximação visual. Por exemplo, o W4 contém um editor visual de mapas de imagem, no qual podemos indicar quais as áreas de uma imagem que devem reagir como botões de ligação para outras partes da Internet. O editor não possui as características especiais (como o "zoom") dos editores visuais de HTML como o Adobe PageMill, mas é perfeitamente capaz para o objectivo. Em comparação, o PageSpinner deixa a edição de mapas de imagem para outras utilidades.

Se se compararem as capacidades dos dois programas no domínio das tabelas, surgem outras diferenças. Quando se produz uma tabela no Editor de Tabelas do W4, visualiza-se um esboço aproximado da mesma. Desse esboço, podemos seleccionar qualquer célula e adicionar-lhe texto ou aplicar-lhe formatos baseados na célula (tal como cor de fundo). Os formatos não aparecem no esboço, ao contrário do texto. Após finalizar a utilização do editor de tabelas, é possível editar manualmente a tabela, tal como é possível seleccionar a tabela inteira, escolher o comando de re-edição ("Re-Edit Tag") e voltar ao editor de tabelas com o esboço intacto e pronto a ser modificado.

Em contraste, a produção de uma tabela no PageSpinner é uma operação individual, baseada em texto. Podemos seleccionar ou importar texto separado por tabulações ("tabs") e usar o Assistente de HTML para aplicar as etiquetas de tabela instantaneamente (mas não podemos aplicar formatos a células individuais no Assistente de HTML). Também podemos inserir as etiquetas de tabela uma a uma. Mas não existe comando de re-edição, pelo que as modificações demoram mais tempo a tomar forma.

A capacidade de re-edição do W4 vem mesmo a calhar quando se trabalha com listas - as listas podem ser re-editadas e, assim, rapidamente convertidas para outro tipo, tendo mesmo a possibilidade de serem ordenadas no Editor de Listas.

O W4 tem mesmo uma característica única - um sistema de visualização automática. Quando utilizo o W4, mantenho o Netscape Navigator/Communicator aberto, e posso visualizar qualquer alteração introduzida no W4 na janela do visualizador ("browser") em poucos segundos. O mais importante acerca desta característica é que não necessito de fazer nada para a utilizar; a maioria dos programas forçam-nos a seleccionar um atalho ("shortcut") de teclado para obter o mesmo efeito. Esta característica funciona apenas com o Navigator/Communicator e funcionaram na perfeição comigo tanto no Navigator 3.01 como no Communicator 4.0 PR 5.

Resumindo, o W4 é um editor textual de HTML perfeitamente funcional. Não tem as características de alto nível dum BBEdit ou dum Alpha, mas apresenta-se como um sistema merecedor de atenção para novos utilizadores de computador e para aqueles que utilizem ocasionalmente o HTML. Dado o seu preço e competidores, o W4 tem pouco espaço de manobra - não tem as carcterísticas que o tornem atractivo para uma maioria de utilizadores. O único trunfo do W4, no entanto, poderá ser a sua interacção particular com o Site Weaver, uma ferramenta de gestão de páginas da Miracle Software. Planeio dedicar algum espaço ao Site Weaver num futuro artigo desta série.

Se as características de alto nível do PageSpinner, como a capacidade de "scripting" e a presença de ficheiros de inclusão ("includes") soam atractivas, podemos então dar uma vista de olhos ao BBEdit e ao Alpha, dois editores de texto bem desenvolvidos que possuem capacidade HTML.

BBEdit -- O BBEdit, da Bare Bones Software, tornou-se uma ferramenta popular para edição de HTML antes mesmo de possuir funções de HTML. Isso se deve, em parte, ao fato de ser um excelente editor de textos e, em parte, porque Carles Bellver e Lindsay Davies criaram pacotes de extensões para HTML razoavelmente completos (esses pacotes funcionam apenas no BBEdit e não são extensões do sistema operacional). Carles não está mais trabalhando em suas extensões, apesar delas ainda estarem disponíveis, mas as "Ferramentas HTML para BBEdit" da Lindsay agora vêm incluídas no programa, e a Bare Bones adicionou mais algumas funções HTML como um corretor ortográfico para HTML, um cliente FTP que pode abrir de e salvar diretamente em um servidor remoto, e opções de estilos para as marcações (tags), para que elas pareçam diferentes do texto normal.

Para aplicar o HTML ao texto no BBEdit, você utiliza um longo menu "drop down", atalhos de teclado, ou uma palete. Usando o menu triângulo na parte superior esquerda da palete, você pode ajustar seu tamanho e decidir quais comandos ela irá conter. A palete seria beneficiada com uma customização adicional, especialmente a possibilidade de se adicionar cores ou gráficos, já que é difícil escolher rapidamente o comando certo entre os muitos "texto-preto-em-botões-cinza". O BBEdit oferece uma quantidade razoável de flexibilidade para customizar sua interface, a aparência dos marcadores (tags), e assim por diante, mas não é tão flexível como o PageSpinner. (Por exemplo, o PageSpinner pode proteger os marcadores (tags) para que outros possam editar o documento sem acidentalmente mudá-los).

As ferramentas HTML do BBEdit possibilitam que o usuário possa criar não só novos marcadores, mas também macros que automatizam a aplicação de uma sequência de marcações. Por exemplo, uma de minhas macros coloca o texto selecionado dentro de um marcador de âncora (anchor tag), e preenche a URL do marcador a partir do "clipboard".

O que chama a atenção no BBEdit é a mistura de uma interface útil, profissional, e um poder natural. A função de "Encontrar e Substituir" em vários arquivos (multi-file Search and Replace) permite buscas sofisticadas que deixam o PageSpinner comendo pó. Outra característica é a sinergia com o UserLand Frontier, que aumenta as opções de publicação na Web.

<http://www.scripting.com/frontier/>

Com expliquei na semana passada, PageSpinner possui "includes", e é possível atualizar a data e a hora sempre que há uma modificação. As ferramentas HTML do BBEdit respondem ao PageSpinner com uma maneira mais fácil de atualizar "includes" (só com o clique num botão), e ainda com mais opções de data, horário, e outras informações. Você também pode empregar "variáveis" que permitem que documentos individuais ditem como a informação fluirá através de um "include" (exemplo: um "include" pode conter um marcador de gráfico, mas a variável na página especificaria a localização do gráfico).

Reunindo funções avançadas, funções específicas de HTML, e simples demanda do sistema (um Mac Plus ou superior, 1 MB de RAM, e System 7.0), não é de surpreender que o BBEdit tenha se tornado um editor HTML de ponta, para uso profissional e até mesmo para hobby. O BBEdit custa $ 119 ($79 para upgrade competitivo). Para saber mais sobre o BBEdit, veja a resenha no TidBITS-365_.

Alpha -- Alguns leitores escreveram na semana passada para avisar que eu deveria olhar o Alpha 6.5.2, um shareware de $30 de Pete Keleher. Chris Ruebeck <ruebeck@jhu.edu>, em particular, comentou:

"Um programa parecido com o BBEdit é o Alpha, usado por muito programadores e escritores de TeX/LaTeX. Ele possui um módulo de HTML, juntamente às várias linguagens e ambientes de programação. O que é legal no Alpha é que seus menus "pull-down" funcionam como assistentes, colando `templates', apesar de não possuir a mesma ajuda-contextual do PageSpinner. Mas há boa documentação de HTML. O Alpha integra-se bem ao ambiente Web também, com links nas suas páginas de ajuda e edição "arrastar e soltar" (drag & drop)."

Inicialmente, imaginei que o Alpha fosse um editor de texto para programadores, mas decidi que não custaria nada tentar. No começo, me confundi com o fato dos comandos de HTML não aparecem se você não estiver no módulo apropriado, mas depois descobri um ambiente capaz para edição de HTML. Os comandos HTML no Alpha (que podem ser convertidos numa palete) são uma cortesia de uma extensão para o programa chamada Módulo HTML, que é um "postcardware" escrito por Johan Linde.

Como no BBEdit, possui "Busca e Substituição" para vários arquivos; como o PageSpinner e o BBEdit, possui "includes"; e como o PageSpinner, W4 e BBEdit, tem sintáxe colorida (isto é, os marcadores de HTML diferenciam-se pela cor), mas é o único que pode inteligentemente colorir textos de JavaScripts.

Caixas de texto para entrar com gerenciadores de eventos de JavaScript aparecem em caixas de diálogo opcionais, onde você determina os atributos. Funções adicionais que me marcaram incluem um menu contextual com lista de "headings" de documentos HTML (escolha um "heading" e o Alpha moverá o cursor sobre ele; o BBEdit possui função semelhante); conversão de caracteres ASCII-superiores em entidades de HTML (e vice-versa); e a capacidade de adicionar novos atributos para marcadores na caixa de diálogo opcional de cada marcador.

Obviamente, eu não usei tanto o Alpha quanto eu usei o BBEdit, mas me ocorre que se você conhecer HTML e JavaScript, e precisar trabalhar num alto nível, Alpha pode conquistar seu coração.

Ainda por vir -- Editores HTML baseados em texto incluem ótimas características e permitem aos autores controlar o que estão fazendo, mas eles são péssimos ambientes para se testar diferentes lay-outs e sistemas de navegação. Para essas tarefas, a maioria das pessoas utiliza um software que esconde o HTML e mostra uma aproximação de como o browser (navegador) interpretará aquela página. Na próxima semana, nós iremos olhar para alguns desses programas.


Publicações não-comerciais e sem fins lucrativos, assim como sites Web, podem re-imprimir ou criar links para artigos publicados, desde que todos os créditos sejam mantidos. Não garantimos o conteúdo dos artigos. Publicações, produtos ou nomes de empresas podem ser marcas registradas de empresas.


Anterior | Lista de Edições em Português | TidBITS Home Page | Próximo